Páginas

11 de dez de 2014

7 Imagens da NASA do Auge de Kepler

Há alguém lá fora? Astrônomos e sonhadores tem feito essa pergunta desde o alvorecer da humanidade - e, no entanto, o mistério permanece. Será que somos as únicas formas de vida no universo, ou há vizinhos como nó que espreitam, um pouco além dos confins do nosso sistema solar? A NASA criou uma missão para descobrir a verdade. Em março de 2009, a agência espacial lançou a Missão Kepler, um programa de descoberta da NASA projetado para procurar possíveis planetas que sustentam a vida. Em apenas os primeiros 16 meses de operação, Kepler descobriu 2.326 planetas em potencial. Uma vez confirmada por estudos de acompanhamento, essas potenciais descobertas podem aumentar significativamente a contagem de exoplanetas (planetas fora do nosso sistema solar) bem mais de sua contagem atual de 702. Aqui estão 10 imagens da NASA que descrevem esses mundos selvagens.

A NOVA TERRA




Essa é concepção artística do exoplaneta Kepler-22, o primeiro planeta encontrado pela Kepler a orbitar uma zona estelar habitável.  Isto significa que Kepler-22 pode ter água líquida sobre ele como a Terra, tornando-se o nosso planeta irmão mais próximo. Segundo a NASA,ele é 2,4 vezes o tamanho da Terra, tornando-se o menor já encontrado a orbitar no meio da zona habitável de uma estrela como o nosso Sol.


ONDE O SOL SE PÕE DUAS VEZES




Por que estamos à procura de exoplanetas como Kepler-22? Especialistas dizem que o futuro da humanidade pode depender dela. Encontrar um planeta que pode sustentar a vida pode ser a chave para a sobrevivência de nosso povo, como o nosso planeta poderia ser vítima de um asteróide, alargamento solar, ou o nosso próprio tratamento obtuso dele. No entanto, nem todos os planetas que a NASA descobriu são habitáveis. Esta é uma descrição artística de Kepler-16b. A NASA dá atenção aos seus dois sóis, que se assemelham ao planeta natal de Luke Skywalker em "Star Wars". Mesmo que ela circula duas estrelas, o planeta é pensado para ser extremamente frio e tem uma superfície gasosa.


PARA ONDE KEPLER OLHA?



Dada a vastidão da nossa galáxia, você pensaria que a nave espacial Kepler estaria varrendo cada centímetro dos céus. No entanto, devido a restrições de missão, Kepler está focada em uma área grande que inclui as constelações de Cisne e Lira. Aqui, vemos esta região. "Cada retângulo indica a região específica do céu coberto por cada CCD (dispositivo de acoplamento por carga) elemento do fotómetro Kepler", segundo a NASA. A Terra faz com que seja difícil de observar todas as partes do céu durante todo o ano, assim que a nave espacial Kepler é posicionado acima do plano da eclíptica. Kepler pode assistir 100.000 estrelas simultaneamente. A região de Cisne e Lira foi escolhido por causa de sua abundância de estrelas semelhantes ao nosso sol. O objetivo final? Encontrar planetas como a Terra.


ATMOSFERAS EXÓTICAS




Kepler não é o único instrumento espacial treinado para exoplanetas. Aqui é a visão artística do planeta de gás quente, HD 209458b, como descrito a partir de informações obtidas pelos telescópios Hubble e Spitzer. Os dois instrumentos revelaram que existem moléculas de metano, vapor de água e dióxido de carbono na atmosfera do planeta. HD 209458b orbita uma estrela parecida com o Sol a 150 anos-luz de distância, na constelação de Pegasus em uma órbita de 3,5 dias. Este planeta não é habitável, mas especialistas dizem que a presença de moléculas com vida poderia indicar vida em planetas semelhantes, mas com uma superfície rochosa.


PLANETAS EXTREMOS



Você já se perguntou o que acontece ao nosso sistema solar depois que o sol segue seu curso (morte) em 5 ou mais bilhões de anos? Aqui vemos a concepção artística de um sistema de pulsar planeta. Um pulsar é uma estrela de nêutrons em rápida rotação que mantém o núcleo colapsado de uma estrela morta. Em 1992, o astrônomo Aleksander Wolszczan descobriu este pulsar, que é chamado PSR B1257 + 12. Aqui vemos pelo menos dois planetas de tamanhos parecidos com a Terra girando-o. A radiação do pulsar é "chover" para baixo sobre os planetas, provocando auroras magníficas através de suas atmosferas. Estes planetas pode ser parte de uma segunda geração de planetas que se formou após a explosão mortal da estrela.


AS COLINAS DE KEPLER 10b



2011 foi o "ano excepcional" para a Missão Kepler com a descoberta de milhares de potenciais exoplanetas. No início de 2011, a NASA anunciou a descoberta de Kepler 10b, o menor planeta já encontrado e, de longe, o mais árduo. Enquanto Kepler 10b é muito quente para suportar vida, mostrou que a Missão Kepler foi capaz de encontrar planetas mais perto do grande prêmio - um que poderia sustentar a vida como a Terra. Esta foto é a descrição de um artista das falésias fundidas de Kepler 10b, que é pensado para sustentar a temperaturas de até 2.500 graus Fahrenheit. Isto significa que a superfície do Kepler 10b é mais quente do que qualquer fluxo de lava na Terra - e quente o suficiente para derreter ferro.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...