Páginas

22 de abr de 2013

A Glândula Pineal (Epífise) - Terceiro Olho?


A ciência médica avança nos estudos acerca do funcionamento da epífise, mas há muito que pesquisar sobre esta minúscula glândula localizada no centro do encéfalo. Acredito que as visões da EQM, bem como as transformações ocorridas com os experientes têm a participação direta da glândula pineal que, nas manifestações da EQM, tem ascendência sobre o lobo_temporal e sistema_límbico. É interessante ressaltar que alguns pesquisadores encontraram sobreviventes de EQM cujos enredos, do outro lado, envolveram uma retrospectiva de vidas passadas. Muitos desses sobreviventes passam a aceitar a reencarnação como um fato normal da vida.

Em torno do 4º e 5º mês de vida intra-uterina a glândula Pineal já apresenta células e tecido de sustentação, alcançando 2mm de diâmetro. Durante este período, via de regra o espírito reencarnante começa a perder a consciência atingindo rapidamente a total inconsciência. Na pineal é que as expansões energéticas do psicossoma prendem-se mais profundamente, sendo por isto chamada "a glândula da vida espiritual" pelos palingenesistas (reencarnacionistas).

À medida que o desenvolvimento da Pineal se processa cada vez mais se acentua a união com as energias espirituais que impulsionam todo o desenvolvimento fetal modelado pelas matrizes perispirituais.

As modificações que ocorrem na glândula pineal são observáveis até os dois anos de idade. Daí até 6 ou 7 anos, as transformações são muito lentas. É exatamente neste período entre_6 ou 7 anos que a Reencarnação poderia ser considerada como definitiva pois o espírito passa a ter fixação completa ao organismo biológico e principalmente à Pineal.



                                                                Ricardo Di Bernardi
                                        Livro: GESTAÇÃO SUBLIME INTERCÂMBIO
                                                    Epífise - A Glândula do Raciocínio

A máquina do raciocínio chamada cientificamente de Glândula Pineal ou Epífise, teve várias denominações ao longo do tempo.

* Há pelo menos 2.000 anos, foi considerada pelos cientistas-místicos como a "sede da alma" (sua morada).
* René Descartes, filósofo, místico e fundador da moderna matemática, referiu-se a ela como sendo a "sede da alma Racional", ou "glândula do saber, do conhecer".
* Do ponto de vista tradicional vem sendo considerada como o órgão de percepção da razão.
* Do ponto de vista científico moderno, é freqüentemente chamada de "reguladora das reguladoras" e "glândulas das glândulas", pelo seu papel na sensação física de bem estar.
* Em profecias de Nostradamus, encontramos esclarecimentos da importância dessa glândula nos tempos atuais, considerando-a "a antena mais fina e alta de nosso sistema nervoso central, a nossa central elétrica".
* É uma central dirigente do corpo como o capitão de um navio.
* Ocupa o centro de gravidade da massa cerebral e morfologicamente apresenta-se como um vestígio de algum terceiro olho a surgir remotamente nos homens do futuro.
* É uma espécie de radar psíquico, chamado também de "olho pineal", "sexto sentido", "corpo pineal".
* Para os hindus "centro de força", para os ocultistas "olho de shiva", por ser o responsável pela clarividência, a vidência Racional.
* É realmente o "olho" pelo qual o homem vê o mundo exterior e o mundo interior, o elo de ligação entre o macrocosmo e o microcosmo.
* Em forma de pinha, localizada no istmo do mesencéfalo, a máquina do raciocínio chamada de glândula Pineal ou Epífise Cerebral, tem função relacionada com a luz, mas não com a luz física e sim com a LUZ DIVINA, a Energia Racional.


A pineal está localizada no meio do cérebro, na altura dos olhos. Ela é um órgão cronobiológico, um relógio interno. Como ela faz isso? Captando as radiações do Sol e da Lua. A pineal obedece aos chamados Zeitbergers.
Por exemplo, o Sol é um Zeitberger externos que regem as noções de tempo e que influencia a pineal, regendo o ciclo de sono e de vigília, quando esta glândula secreta o hormônio melatonina. Isso dá ao organismo a referência de horário.
Existe também o Zeitberger interno, que são os genes, trazendo o perfil de ritmo regular de cada pessoa.
        Nós vivemos em três dimensões e nos relacionamos com a quarta, através do tempo. A pineal é a única estrutura do corpo que transpõe essa dimensão, que é capaz de captar informações que estão além dessa dimensão nossa. A afirmação de Descartes, do ponto em que a alma se liga ao corpo, tem uma lógica até na questão física, que é esta glândula que lida com a outra dimensão, e isso é um fato.
Outros animais possuem a epífise?  Ela está relacionada à consciência?
R.: Todos os animais têm essa glândula; ela os orienta nos processos migratórios, por exemplo, pois ela sintoniza o campo magnético. Nos animais, a glândula pineal tem fotorreceptores iguais aos presentes na retina dos olhos, porque a origem biológica da pineal é a mesma dos olhos, é um terceiro olho, literalmente.
A pineal converte ondas eletromagnéticas em estímulos neuroquímicos? Isso é comprovado cientificamente?
R.: Sim, isso é comprovado. Quem provou isso foram os cientistas Vollrath e Semm, que têm artigos publicados na revista científica Nature, de 1988.
A parapsicologia diz que estes campos eletromagnéticos podem afetar a mente humana. O dr. Michael Persinger, da Laurentian University, no Canadá, fez experiências com um capacete que emite ondas eletromagnéticas nos lobos_temporais. As pessoas submetidas a essas experiências teriam tido “visões” e sentiram presenças espirituais. O dr. Persinger atribui esses fenômenos à influência dessas ondas eletromagnéticas. O que o senhor teria a dizer sobre isso?
R.: Veja, o espiritual age pelo campo eletromagnético. Então, dizer que este campo interfere no cérebro não contraria a hipótese de uma influência espiritual. Porque, se há uma interferência espiritual, esta se dá justamente pelo campo eletromagnético. Quando se fala do espiritual, em Deus, a interferência acontece na natureza pelas leis da própria natureza. Se o campo magnético interfere no cérebro, a espiritualidade interfere no cérebro PELO campo magnético. Uma coisa não anula a outra. Pelo contrário, complementam-se.
Como são feitas as experiências em laboratório?
R.: Existem dois tipos: um, que é a experiência de pesquisa das estruturas do cérebro, responsáveis pela integração espírito/corpo; e outra, que é a pesquisa clínica, das pessoas em transe_mediúnico. São testes de hormônios, eletroencefalogramas, tomografias, ressonância magnética, mapeamento cerebral, entre outros. A coleta de hormônios, por exemplo, pode ser feita enquanto o paciente está em estado de transe. E os resultados apresentam alterações significativas.


É verdade que a pineal se calcifica com a meia-idade? E essa calcificação prejudica a mediunidade?

R.: Não, a pineal não se calcifica; ela forma cristais de apatita, e isso independe da idade. Estes cristais têm a ver com o perfil da função da glândula. Uma criança pode ter estes cristais na pineal em grande quantidade enquanto um adulto pode não ter nada. Percebemos, pelas pesquisas, que quando um adulto tem muito destes cristais na pineal, ele tem mais facilidade de seqüestrar o campo eletromagnético. Quando a pessoa tem muito desses cristais e seqüestra esse campo magnético, esse campo chega num cristal e ele é repelido e rebatido pelos outros cristais, e este indivíduo então apresenta mais facilidade no fenômeno_da_incorporação. Ele incorpora o campo com as informações do universo mental de outrem. É possível visualizar estes cristais na tomografia. Observamos que quando o paciente tem muita facilidade de desdobramento, ele não apresenta estes cristais.
A pineal pode ser estimulada com a entoação de mantras, como pregam os místicos?
R.: A glândula está localizada em uma área cheia de líquido. Talvez o som desses mantras faça vibrar o líquido, provocando alguma reação na glândula. Os cristaistambém recebem influências de vibração. Deve vibrar o liquor, a glândula, alterando o metabolismo. Teria lógica.
        A suspeita de uma interferência espiritual surge quando a alteração nos exames não justifica a dimensão ou a proporção dos sintomas. Por exemplo: 
o indivíduo tem uma crise convulsiva fortíssima, é feito o eletroencefalograma e aparece uma lesão pequena. Não há, então, uma coerência entre o que está acontecendo e o que o exame está mostrando. A reação não é proporcional à causa. 
A mediunidade mexe com o sistema nervoso autônomo - descarga de adrenalina, aceleração do ritmo cardíaco, aumento da pressão arterial.
        Segundo Sérgio Felipe de Oliveira, a pineal captaria informações do mundo espiritual por ondas eletromagnéticas, como “um telefone celular”, e as transformaria em estímulos neuroquímicos.

http://www.espirito.org.br/portal/publicacoes/esp-ciencia/003/pineal.html

http://www.ippb.org.br/modules.php?op=modload&name=News&file=article&sid=1900&mode=thread&order=0&thold=0

A glândula pineal é derivada de células neuroectodérmicas e, à semelhança da retina, desenvolve-se a partir de uma invaginação do teto da parede do terceiro ventrículo.  

Glândula pineal e Melatonina 

        Efeitos da Melatonina:

* Na década de 1950 a ação fisiológica da glândula pineal estava ligada à reprodução (Reiter 1980). 
* Numerosas publicações sugeriam que a melatonina tinha ação pró-gonadotrófica, enquanto outras, não menos relevantes em número, apontavam a ação do hormônio da pineal como anti-gonadotrófico. 
* Nos anos 60, a soma de conhecimentos da área da cronobiologia com conhecimentos da bioquímica da pineal permitiram resolver esta discrepância, demonstrando que a melatonina é um transdutor fotobiológico, sendo capaz de traduzir para termos biológicos as variações dos fotoperíodos ambientais. 

Assim sendo, em animais que têm longo período de gestação (ex. ovinos), a melatonina é um hormônio pró-gonadotrófico, enquanto em animais com curtos períodos de gestação (hamster) a melatonina é anti-gonadotrófica.

Atualmente sabemos que a melatonina é um hormônio que possui diferentes funções; atuando como um agente endócrino ou parácrino (Stefulj et alli, 2001). Como função mais abrangente a melatonina ajusta a resposta do organismo às condições de escuro, permitindo que haja uma adaptação às atividades e desempenhos noturnos de cada animal. Na maioria dos órgãos e tecidos a chegada da melatonina ocorre pela via circulatória e, portanto reflete a atividade da glândula pineal. Na retina a melatonina é produzida de forma rítmica localmente, e também tem como função adaptar os animais ao escuro. Esta é uma função parácrina. Mas, lembramos que este é um assunto em franca evolução.

* Melatonina e adaptação à luz na retina
* Melatonina e Reprodução
* Melatonina e Controle Circadiano
* Melatonina e as Respostas de Defesa do Organismo (Resposta Imunológica e Resposta Inflamatória)
* Melatonina – fator secundário em diferentes fisiopatologias.


Obs.: Sempre admirei os antigos, e nunca duvidei de que eles foram muito mais longe , no raciocínio , nas entrelinhas, nas lendas, nas historias, cada vez mais se unindo as descobertas de hoje, e assim vemos o quão ainda tem pra descobrir e a complexidade do raciocínio .  Sem enrolar mais e puxar saco...  Para os que leram sobre a glândula, também devem ter percebido o local dela ( entre os olhos ) , e seria mera coincidência esse "olho" espiritual com os simbolos antepassados?

 



















Afinal quem nunca ouviu o termo: Terceiro olho, Abertura do terceiro olho. Também envolve o que chamam de chacra, o famoso "conhecimento" , olho que vê tudo e etc...




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...